ATOPIA CANINA E HOMEOPATIA



ATOPIA CANINA E HOMEOPATIA


M.V. Celso Affonso M. Pedrini

A atopia é uma doença inflamatória crônica que afeta o tecido cutâneo de cães, tendo no prurido o seu sintoma característico. Apresenta uma etiologia genética, sendo que a alteração em nível genético origina diferentes manifestações clínicas individuais. A sintomatologia da atopia está relacionada a uma diminuição ou perda da função de barreira da epiderme, ocasionada por uma baixa produção de ceramídeos e um consequente aumento do espaço intercelular, acarretando em um aumento da absorção de irritantes ambientais, que irão causar a degeneração das células da epiderme, com a liberação de mediadores químicos envolvidos na resposta inflamatória. É uma doença que não tem cura, apresentando, por vezes, um difícil controle, devido ao seu caráter renitente, necessitando de um acompanhamento contínuo.

A Homeopatia (similia similibus curantur) apresenta uma concepção diferente, pois o seu objetivo não é apenas tratar a doença localizada, mas tratar o doente como um todo. Não há somente uma maneira de se utilizar a terapêutica homeopática, pois existem diferentes correntes (o exemplo mais óbvio é a dicotomia entre o unicismo e o pluralismo), com diferentes escolas em cada uma dessas correntes, utilizando comumente metodologias distintas.

Eu tive uma formação unicista em minha especialização, baseada numa concepção vitalista, que foi a mesma utilizada pelo criador da Homeopatia, o médico alemão Samuel Hahnemann (1755-1843). De acordo com esta concepção, a doença seria originada por uma desarmonia da força vital, responsável por todas as sensações e funções do organismo, sendo que a totalidade dos sintomas representam tal desordem. Assim, é preciso realizar um estudo da totalidade dos sintomas que irão caracterizar e individualizar um determinado doente, tendo por objetivo eleger um único medicamento (chamado de simillimum) que será capaz, por semelhança de sintomas, restituir a harmonia de sua força vital e, consequentemente, restabelecer a sua saúde.

Ainda não havia concluído minha especialização, quando iniciei o tratamento de um canino, da raça Pequinês, sexo masculino, com 4 anos de idade. Sua proprietária desejava tratá-lo com Homeopatia (ela mesma, era paciente de um médico homeopata), por ele apresentar um quadro cutâneo crônico, onde um prurido intenso e contínuo consistia no sintoma predominante, ocasionando lesões auto-infligidas de tanto ele se coçar. O tratamento convencional, baseado em corticosteróides e anti-histamícos, funcionava apenas como um paliativo, proporcionando uma resposta transitória, com os sintomas retornando logo a seguir, não raramente apresentando um caráter mais intenso. Abordei este paciente utilizando a concepção vitalista ensinada em minha especialização. Como é preciso levar em consideração a totalidade dos sintomas do paciente, utilizei não só os sintomas cutâneos, mas outros sintomas orgânicos, além dos sintomas de ordem geral (que dizem respeito a todo o organismo); e, principalmente, os sintomas da esfera mental, representados pelo comportamento nos animais, que são fundamentais para a individualização do paciente.

Eu acompanhei este paciente por quase 10 anos. Desde o começo, ele apresentou melhorias significativas em sua totalidade (o que é uma característica do tratamento homeopático). O prurido, que antes era contínuo, diminuiu sensivelmente; inclusive, o paciente passou por períodos significativos em que praticamente não se coçava, o que seria inimaginável antes do tratamento homeopático. As crises de prurido diminuíram bastante sua frequência; mas, quando ocorriam, o grau da coceira era visivelmente menor e o seu período de duração também. Além disso, o paciente apresentou melhorias concomitantes em outros sintomas. Antes, ele apresentava frequentemente crises de vômitos e cólicas abdominais, que diminuíram significativamente com o transcorrer do tratamento; já, a flatulência, desapareceu completamente, desde o início do mesmo. O paciente também apresentou melhorias significativas em seu comportamento, diminuindo consideravelmente sua irritabilidade e agressividade, facilitando o manejo por parte de sua proprietária e a melhora no convívio com o outro cão da casa, praticamente não o agredindo mais.

Além de uma melhora significativa nos sintomas cutâneos (em particular, o prurido) deste cão atópico, o tratamento homeopático proporcionou melhorias em outros sintomas físicos e também de ordem comportamental, melhorando extraordinariamente a qualidade de vida deste paciente. Sem falar da quase total redução da utilização de corticosteróides e anti-histamínicos, preservando o paciente dos efeitos colaterais destes medicamentos.

Após a conclusão de minha especialização, continuei estudando e me aprofundando na especialidade de Homeopatia, inclusive estudando outras escolas. Destaco uma, em especial, baseada numa visão sistêmica, em que o ser vivo é compreendido como um sistema complexo, operando mediante mecanismos de "feedback" e auto-regulação. Nesta visão, saúde significa estabilidade no sistema. Já a doença é representada por uma instabilidade no sistema, que pode ser de origem predominantemente intrínseca ou extrínseca ao mesmo. Esta concepção apresenta uma compreensão não-linear do processo de saúde e doença, pois os sintomas não representam um mal que deve, necessariamente, ser combatido e eliminado, mas representam um movimento efetuado pelo organismo, no sentido do restabelecimento de sua estabilidade. Assim, o medicamento homeopático deve promover um movimento no mesmo sentido da sintomatologia apresentada pelo doente, devendo-se, ainda, levar em consideração a compreensão da fisiopatologia dos sintomas.

Há alguns anos atrás, atendi um canino atópico, da raça Chow Chow, sexo feminino, com aproximadamente 3 anos de idade. A paciente apresentava um quadro crônico, sendo que os sintomas pioraram após a puberdade. Além de um intenso prurido, a paciente apresentava alopecia, erupção crostosa, queda de pelos e pele exalando um odor fétido. Abordei esta paciente utilizando os conceitos da visão sistêmica. Dois meses após o início do tratamento homeopático, a paciente apresentou uma melhoria praticamente total de todos os sintomas cutâneos, além de ocorrer uma sensível melhora na sua disposição e vivacidade. Este caso é um belo exemplo de que o tratamento homeopático de cães atópicos pode proporcionar excelentes resultados em um curto prazo.

Infelizmente, nos dias atuais a Homeopatia é comumente considerada um método arcaico e colocada à margem da ciência. Esse foi um dos motivos que me levou a realizar uma pesquisa clínica, em parceria com a Liga Homeopática do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, visando demonstrar a efetividade do tratamento homeopático em cães e gatos portadores de quadros crônicos, seja de ordem física ou comportamental. Esta pesquisa foi realizada entre os anos de 2005 e 2013. Considero o resultado de maior relevância desta pesquisa, o fato de que, dos pacientes caninos e felinos, portadores de quadros crônicos, que foram tratados pela Homeopatia e acompanhados por um período superior a 6 meses, 96% destes pacientes apresentaram uma melhora significativa em sua condição inicial (sintomas inerentes ao diagnóstico relacionado à queixa principal) e em sua qualidade de vida, conforme a metodologia utilizada (empreguei uma metodologia própria) e os parâmetros de avaliação propostos (relacionados à evolução dos sintomas dos pacientes).

Atualmente, meu trabalho está baseado nesta metodologia própria e respaldado pelos resultados de minha pesquisa. A ênfase está nas áreas de Dermatologia e Comportamento, em função dos resultados da mesma. Assim, meu maior objetivo é proporcionar um trabalho extremamente qualificado, visando alcançar uma alta eficácia utilizando a terapêutica homeopática em caninos e felinos.

A seguir, alguns aspectos básicos de minha metodologia:
- O tratamento é específico para o doente, não para a doença. O objetivo é individualizar o paciente. Por exemplo, cães atópicos poderão receber medicamentos homeopáticos diferentes.
- Os sintomas são os parâmetros utilizados para o tratamento e a avaliação da evolução do paciente.
- A Homeopatia trata o doente em sua totalidade. Assim, na abordagem de um canino diagnosticado com atopia, não levaremos em consideração apenas os sintomas cutâneos, mas os sintomas que caracterizam este paciente como um todo, seja de ordem mental (expressos pelo comportamento, nos animais), geral ou outros sintomas físicos. Em minha metodologia, faço um estudo profundo e minucioso da totalidade dos sintomas do paciente, buscando a sua individualização.
- Após avaliar o paciente e buscar compreendê-lo, através de seus sintomas, avalio qual a metodologia será a mais adequada para tratá-lo: a baseada na concepção vitalista; a baseada na concepção sistêmica; ou alguma outra.
- Antes de assumir um caso, faço uma projeção inicial se terei condições de beneficiar o paciente e atender às expectativas de seu responsável. Faço isso por respeito aos meus pacientes e seus tutores.
- Em minha metodologia é importantíssimo haver a participação proativa do proprietário do paciente. Por isso, por ocasião da primeira avaliação, faço uma apresentação resumida do que consiste a Homeopatia, explico a minha metodologia e esclareço possíveis dúvidas. Prezo pela ética em meu trabalho! Assim, proprietários extremamente ansiosos e que não têm o mínimo de paciência para colaborar com minha metodologia, não se enquadram no perfil de clientes que me proponho a atender.
- Trabalho com quadros crônicos, sendo fundamental haver uma sequência no tratamento, para alcançarmos a excelência no mesmo, como demonstram os resultados de minha pesquisa.
- Trabalho exclusivamente com Homeopatia, preservando qualquer outro procedimento ao colega que encaminhou o paciente.
- Atuo de uma forma complementar ao colega que encaminhou o paciente, seja clínico geral ou de outra especialidade. Assim, o paciente continuará sob a orientação e tratamento do referido colega.
- Meu atendimento é exclusivamente domiciliar, nos Estados de São Paulo e Rio Grande do Sul. Considero importante observar o paciente no ambiente em que ele vive, para que possa compreendê-lo de uma forma mais fidedigna.

Para concluir, quero afirmar de forma enfática que a Homeopatia é uma opção extremamente viável para o tratamento de cães portadores de atopia, especialmente naqueles casos em que o tratamento convencional apresenta resultados parciais ou insatisfatórios. E é exatamente em tais casos, que a terapêutica homeopática demonstra que está muito longe de ser arcaica e não-científica; mas consiste em um sistema terapêutico moderno e de ponta, que tem o potencial de ser altamente eficaz, desde que seja praticado por profissionais sérios e plenamente capacitados.



Dr. Celso Affonso Machado Pedrini

Médico Veterinário

www.celsopedrini.com.br

CONTATO: celsopedrini@terra.com.br