CASO DE DEMODICIOSE EM CANINO TRATADO PELA HOMEOPATIA



CASO DE DEMODICIOSE EM CANINO TRATADO PELA HOMEOPATIA


M.V. Celso Affonso M. Pedrini

CLIQUE AQUI PARA ASSISTIR O VÍDEO.

Nome: Snoopy.
Espécie: Canina.
Raça: SRD.
Sexo: Masculino.
Data de Nascimento: outubro / 2010.
Idade na Primeira Avaliação: 6 meses.
Data da Primeira Avaliação: 26/04/2011.
Período de Acompanhamento: 2 anos e 5 meses.
Nº Avaliações: 8.
Atendimento na Liga Homeopática do Rio Grande do Sul.
Diagnóstico Relacionado à Queixa Principal: Demodiciose.


* Introdução.

Atendi este paciente na Liga Homeopática do RS, em Porto Alegre, fazendo parte de uma pesquisa que realizei durante 8 anos, em parceria com esta instituição, fundada em 1941, voltada ao tratamento de doenças crônicas e distúrbios comportamentais em caninos e felinos, em que todos os casos de pacientes atendidos foram amplamente documentados, inclusive em vídeo. Considero isto muito importante, no sentido de chancelar a veracidade deste trabalho, propiciando a mais absoluta credibilidade a esta pesquisa, em que utilizei uma metodologia própria, que venho desenvolvendo e aprimorando há mais de duas décadas, desde que concluí a minha especialização em Homeopatia.

Para mais informações, Clique Aqui.


PRIMEIRA AVALIAÇÃO: 26/04/2011.

* Queixa Principal: Demodiciose.

* Sintomas Cutâneos.

“Diagnosticado com demodiciose. Tratado com veterinário convencional (com Ivermectina), época que estava melhor.”
"Também tratado com Cetoconazol e um antialérgico.”
“Teve pústulas, tinha 2-3 meses; tratado com Enrofloxacino”
“Recebeu corticóide e piorou, coçava muito, tinha feridas.”
“Fez raspagem de pele: apareceu sarna demodécica.”
“Tratado com Amitraz e Moxidectina; coleira p/ sarna demodécica: foi indicada, mas ainda não recebeu.”
“Só em um dos filhotes (fêmea) que não apareceu demodécica. Os outros 3 tiveram e foram tratados por seus adotantes.”
“Os outros filhotes não tinham essas lesões, eram mais feridas na barriga, pústulas. Outros veterinários também diagnosticaram demodiciose.”
“O Snoopy tem um cheiro muito forte, que fica impregnado na roupa e na sua cama.”
Os sintomas cutâneos iniciaram com 2-3 meses de idade.”
Para as pústulas, tomou antibiótico. Melhorou, estabilizou!”
“Ele piorou mesmo foi quando tomou corticóide.”
“Não parava de se coçar, ficou em feridas.”
“Ainda coça, mas não tanto!”

* Hiperatividade.

“Esperto, brincalhão, agitado!”
“Brinca muito com os nossos gatos; arrasta um dos gatos pela casa, brincando! Mas respeita a outra gata.”
“Tem hora do dia que fica mais acelerado, dá mordidas mais fortes, que chega a machucar!”
“Vai p/ cima das nossas camas.”
“Raspa as paredes e começa a comer...”
“Brinca o tempo inteiro, é 'crianção'!”
“Eu ralho com ele, quando faz arte, destrói as coisas, mas é teimoso! Na hora ele para, mas sabe onde eu guardei, sejam nossas coisas ou comida, e vai lá pegar de novo!”
“Tem momento que o Snoopy chega num ápice, é que nem criança. A brincadeira vai crescendo, parece que vai morder mesmo! Não se dá conta que está machucando! Daqui a pouco vai acalmando e fica calmo.”
“Com outros cães na rua, chega a se encolher, não é brabo!”
“Numa ocasião, estava bem agitado, mas chegou a parar no ar p/ não machucar uma bebê de 1 ano e 4 meses.”
“Na rua é brincalhão com todos.”
“Parece que está sempre alegre e sorrindo.”
“Quando chegamos em casa, anuncia com ‘voz’ que está com saudade. É muito agitado!”
“Quando saímos de casa fica tranquilo!”
“O que mais gosta de fazer é ficar mordendo, rasgando e destruindo as coisas dentro de casa. O passatempo dele era destruir isopor; agora destruindo papel. Também gosta de brincar e correr atrás dos gatos.”
“É agitado, inquieto!”
“A alegria dele é acordar de manhã e pular na cama da minha filha!”
“Gosta de correr na rua!”
“Adora passear e quer continuar! Quando muito cansado, quer voltar e ir p/ a cama!”
“Já aconteceu de comer e ficou tão agitado que vomitou a ração. Come, quer brincar e de vez quando acontece de regurgitar a ração.”

* Agressão Dirigida a Pessoas Familiares.

“Tem momento que o Snoopy chega num ápice, é que nem criança. A brincadeira vai crescendo, parece que vai morder mesmo! Não se dá conta que está machucando! Daqui a pouco vai acalmando e fica calmo.”
“Não gosta de ser contrariado ou ser obrigado a fazer algo, de ser contido, que fiquemos segurando ele: Fica brabo! Ou quando faz uma arte e ralho com ele, fica rondando p/ lá e p/ cá, não gosta que a gente diga não p/ ele! Tem muita dificuldade em aceitar os limites!”
“Tem hora do dia que fica mais acelerado, dá mordidas mais fortes, que chega a machucar!”
Não tem limites.

* Roubo de Objetos da Casa.

“Rouba comida!”
“Rouba as coisas em cima da mesa (em parceria com o Nino, outro gato nosso). É desobediente, faz o que ele quer!”
“Ele rouba bife... Dei pão duro p/ ele e roeu tudo!”

* Mastigação Destrutiva.

“Tudo o que puder pegar pra mastigar, destrói... plástico, etc. Destrói sempre!”
“Passa o tempo inteiro mastigando e destruindo, chinelos, tênis...”
“Desde pequeno rói e destrói!”
Ele rouba bife... Dei pão duro p/ ele e roeu tudo!”
“O que mais gosta de fazer é ficar mordendo, rasgando e destruindo as coisas dentro de casa. O passatempo dele era destruir isopor; agora destruindo papel. Também gosta de brincar e correr atrás dos gatos.”
Durante a consulta, roeu a mesa do consultório.

* Coprofagia.

“Come o cocô do gato!”

* Apetite Depravado.

“Raspa as paredes e começa a comer...”

* Desobediência.

“Eu ralho com ele, quando faz arte, destrói as coisas, mas é teimoso! Na hora ele para, mas sabe onde eu guardei, sejam nossas coisas ou comida, e vai lá pegar de novo!”
Não tem limites.

* Outros.

“Ninhada de filhores (5) que foram resgatados da Ilha da Pintada. Pegamos ele em 27/11/2010, tinha quase 1,5 mês. Tem 5,5- 6 meses. Tinha sarna demodécica”
“Não late muito. Moramos em apartamento.”
“Faz xixi e cocô só dentro de casa!”
“Eu não queria ficar com ele, os outros irmãos foram todos adotados, mas minha filha me convenceu a ficarmos com ele!”
“Quando os apanhamos, todos os filhotes eram tomados por carrapatos e pulgas. Ficaram um tempo na casa de uma amiga.”
“Não esperávamos que ficasse tão grande!”
“Não faz xixi ou cocô na rua, nem levanta a pata!”
“Não come ração pura, tem que misturar com comida!”
“Sede, urina e fezes: s/a. Faz bastante xixi, mas só no jornal.”
“Nunca notei ele ficar realmente brabo!”
“Com visitas em casa, é alegre, não late. Se afasta, recua e volta. Parece ter um pouco de medo do novo, quando está em casa. Na rua, se relaciona bem com as pessoas!”
“Chega a dormir junto com o Nino (outro gato da casa)."
“Deixa gato dormir de dia na cama dele!”
“Gosta de olhar p/ a rua pela janela!”
Quando fui filmá-lo começou a me encarar e latir!
TR: 39º C., FC: 152 b.p.m.
Mucosas rosadas a congestas.
Focinho frio.
Locais afetados: pele com coloração vermelha; mais quente que o resto do corpo.


CONSIDERAÇÕES

Desenvolvi a análise do caso baseado na totalidade sintomática característica do paciente, enfatizando os sintomas cutâneos, chegando a um determinado medicamento ("A"), que teria atuação em um nível constitucional. Utilizei, ainda, outros dois medicamentos, de acordo com conceitos inerentes à visão sistêmica ("B") e à nutracêutica biomolecular ("C"), respectivamente.


ALGUMAS OBSERVAÇÕES PERTINENTES

Clique Aqui.


SEGUNDA AVALIAÇÃO: 21/06/2011 - 2 meses após.

* Sintomas Cutâneos.

Melhorou do cheiro da demodécica. O cheiro era forte, horrível!”
“As lesões também melhoraram.”
“Quando parei com medicamentos ("B" e "C"), voltaram um pouco as lesões e o cheiro, mas em bem menor intensidade!”
“Melhorou da sarna demodécica, principalmente nas patas. As melhoras começaram nas patas. O que melhorou primeiro foi as lesões, o vermelhidão nas patinhas; depois melhorou o cheiro! Quando me dei conta, o cheiro tinha melhorado bastante, ficou só um pouco! O cheiro era enjoativo, ficava impregnado em tudo. Ele foi medicado apenas com Homeopatia."
“Praticamente parou de coçar! Antes, coçava bastante, chegava a ficar com a pele vermelha, quase em sangue vivo, de tanto que coçava!”

* Hiperatividade.

“Teve mudança no seu comportamento: ficou mais agitado, passou a latir mais, morde muito. Tudo o que vê, destrói! Ficou mais destruidor, de agarrar, morder, pegar as coisas. Antes, já destruía, mas não era tanto!”
“É muito inteligente, mas ‘fora da casinha’: na rua, não obedece o comando; uma vez, estava sem a guia na rua e se foi, quase foi atropelado, não obedeceu aos meus comandos!”
“Fica atento a tudo, qualquer barulhinho, passarinho, fica olhando as pessoas, quer brincar com todo mundo.”
“Não tem maldade, não tem cachorro que fique brabo com ele. Espontâneo e brincalhão!”
“Quer ficar ‘espremido’ com o Duque, outro cão da casa; ficaram muito amigos! O Duque é que dá limites p/ o Snoopy!”
“Sempre agitado, mas, às vezes, fica parado na cama! Quando estamos perto, se o gato entra, fica impaciente, quer brincar!”
“O Snoopy ficou mais forte, até porque ele cresceu! Está com uma força que eu chego a ficar sem fôlego! Ele me puxa muito!”
“Pela uma hora da madrugada, fica desperto, ‘ligado’, como se não quisesse parar, como se não pudesse atrapalhar suas brincadeiras, fica ligado com as coisas. Vou acariciando ele, que vai adormecendo.”
“Antes, não parava p/ receber o nosso carinho; agora está parando p/ receber carinho, é como se estivesse gostando de ser acariciado!”
“No pátio da frente, levo ele p/ gastar energia; fica correndo de um lado p/ outro! Ele deve ter algo de cachorro ‘corredor’, tipo galgo, etc.”
“Gosta de passear!”
“Acho que ficou mais agitado com a Homeopatia! O ápice da energia cresceu muito!”
“O Snoopy está mais próximo de nós! Antes era mais alienado, tão agitado que não se permitia parar p/ sentir, ser acariciado!”
“Tem muito contato com o Duque, que é mais velho! Gosta, tem muito carinho com ele. Mas o Duque põe limites, gosta mas é reservado! Ficam de brincadeiras, parece que vão se rasgar!”

* Agressão Dirigida a Pessoas Familiares.

Morde muito.

* Roubo de Objetos da Casa e Mastigação Destrutiva.

“Tudo o que vê, destrói! Ficou mais destruidor, de agarrar, morder, pegar as coisas. Antes, já destruía, mas não era tanto!”
“Continua roubando comida. Sobe em cima da cadeira e come o que estiver ao alcance na mesa!”
“Adora entrar dentro de casa e ficar em cima da cama da minha filha. Se o Snoopy está dentro de casa, tenho que estar sempre de olho nele, porque senão destrói. Gosta de destruir boneco com enchimento de estofo; destrói desde pequeno. Já destruiu vários bonecos.”
“O Snoopy é destruidor! É uma coisa compulsiva! Às vezes, destrói em parceria com o gato!”

* Coprofagia e Apetite Depravado.

“Continua comendo o cocô dos gatos, mas diminuiu um pouco!”
“Come sacos plásticos, que saem no cocô!”

* Desobediência.

“É muito inteligente, mas ‘fora da casinha’: na rua, não obedece o comando; uma vez, estava sem a guia na rua e se foi, quase foi atropelado, não obedeceu aos meus comandos!”
“Tudo é uma grande brincadeira p/ ele, não obedece muito. Mas sabe quando está fazendo errado...”
“Quanto a ser contrariado, continua não gostando muito! Mas noto que está escutando mais! Eu ralho com ele, repreendo, xingo, mas é só eu virar as costas e ele faz de novo! Como se esperasse eu me distrair p/ ir de novo atrás de seu objetivo! É teimoso e insistente!”
“Continua com dificuldade em aceitar limites!”

* Outros.

“Continua não comendo ração pura, temos que misturar p/ ele comer! Oferecemos comida e adorou!”
“Aceita mais a ração de filhote. Adora caldo de galinha, frango. Está difícil tirar essa manias dele!”
“O Snoopy é ‘uma criança deslumbrada p/ o mundo!’. Atento a tudo, pequenos sons, canto dos passarinhos, se ouvir um som do outro lado da rua, pessoa que passa. Ele parece um telescópio na rua! É um cão alegre, parece que está sempre sorrindo!”
“Gosta de ficar junto de nós!”
“Continua não fazendo nada na rua, nem xixi nem cocô! Só faz as necessidades na cozinha e no jornal. Faz xixi várias vezes.”
“Com o Duque, na hora de comer, um fica olhando p/ o prato do outro. Quando eu me distraio, eles trocam de prato!”

Conduta:

Mantive os mesmos medicamentos, nas mesmas dinamizações, apenas ajustando a frequência de administração dos mesmos.


TERCEIRA AVALIAÇÃO: 26/07/2011 - 1 mês após, total de 3 meses de tratamento homeopático.

* Sintomas Cutâneos.

“Ele está começando a ficar mais preto, com o crescimento dos pelos! Começou na semana passada, nos membros posteriores.”
“Ponta da orelha com escamação, com crosta durinha.”
“O cheiro melhorou muito! Agora está com o cheiro normal de cachorro! Antes era horrível!”
“Coça mais o rosto, onde as lesões estão piores! Mas a coceira diminuiu desde a última vez!”
“A pele está menos vermelha; ainda na face e extremidades.”

* Hiperatividade.

“O emocional piorou, ficou mais ‘loucão’: tem muita energia. É muito ativo, corre demais, corre p/ lá e p/ cá! A agitação aumentou desde que começou o tratamento homeopático.”
“É tão elétrico, que não para p/ que possamos fazer carinho nele!”
“Dorme quase toda a manhã; aí a agitação vai crescendo e à noite vai ao limite.”
“Se a minha filha dorme à tarde, aí dorme a tarde inteira!”
“P/ ele, ir p/ rua é p/ ver cachorro e gente. Se vê um cachorro, puxa a guia p/ ir até o cachorro.”

* Agressão Dirigida a Pessoas Familiares.

“Com a minha filha, ele fica ‘louco’, morde, machuca com as suas mordidas!”

* Roubo de Objetos da Casa e Mastigação Destrutiva.

“Ele rouba se deixarmos qualquer coisa à vista, em cima da mesa, principalmente comida! Sobe em cima da cadeira e salta em cima da mesa p/ pegar as coisas!”
“Já comeu mesa, as pernas das cadeiras.”
“O Nino derruba as coisas de cima das mesas, armários, etc. e o Snoopy pega p/ destruir! Os dois são muito parecidos, nessa questão de não terem limites!”

* Coprofagia e Apetite Depravado.

“Parou de comer o cocô dos gatos.”
“Engole tudo o que vê pela frente! Pega tudo, roupa, plástico...”
“Uma vez vomitou líquido amarelo; depois ficou normal.”
“Mas é chato p/ comer; isso vem piorando!”

* Desobediência.

“Foge da gente, é sem vergonha, muito sapeca! Ele não obedece!”

* Outros.

“Urinou em cima da minha cama; deve ser porque tem um novo cão em casa, p/ adoção!”
“Ficou mais chato p/ a comida! Fica olhando p/ o prato cheio de ração. Temos que colocar caldinho, porque ele gosta de comida mais aguada.”
“Ontem não queria comer, por isso tive que fritar peito de frango. Mas só foi comer depois de um tempo. Temos que estimular p/ ele comer, pois sozinho ele não come!”
“Uma vez vomitou líquido amarelo; depois ficou normal.”
“É muito sociável!”
“Sair p/ rua, só quando está nas últimas... Faz as necessidades dentro de casa, no jornal.”

Conduta:

Neste ponto, reavaliei o caso, baseado em conceitos da visão sistêmica, especialmente em relação à fisiopatologia do quadro cutâneo. Assim, acrescentei o Medicamento "D", mantendo os demais medicamentos, efetuando, ainda, ajustes em termos de dinamizações e frequência de administração dos mesmos.


QUARTA AVALIAÇÃO: 22/11/2011 - 4 meses após, total de 7 meses de tratamento homeopático.

* Sintomas Cutâneos.

“Demodécica não evoluiu, nem melhorou! Está com uma ferida no pescoço!”
“O veterinário convencional passou outro medicamento: com isso, melhorou mais das feridas nas patas. Com a Homeopatia, já tinha melhorado o cheiro. Terminei de dar o remédio há duas semanas!”
“Até administrar o medicamento alopático, estava com erupções no pescoço e vermelhidão nas patas.”
“Mas o cheiro já havia melhorado com a Homeopatia! Também está bem melhor da coceira. Já tinha melhorado com a Homeopatia.”
“A pele está bem melhor; até a falha de pelos nas patas e o vermelho.”
“Tinha uma parte da pele que estava mais preta, também melhorou!”
“A coceira é pior na região do pescoço, onde estão as lesões piores!”
“Estava com pulga; administramos medicamento à base de fipronil e metopreno no domingo.”

* Hiperatividade.

“Quanto ao comportamento, está muito agitado, tanto aqui no consultório quanto em casa. Fica andando de um lado p/ o outro, sem paradeiro!”
“Está com dificuldade p/ dormir à noite! Leva mais tempo p/ dormir, fica ‘ligado’! Eu tenho que massageá-lo, aí ele relaxa e dorme!”
“No mês passado estava com dificuldade p/ dormir; eu tinha que ficar até uma, duas ou três horas da madrugada acalmando ele p/ dormir.”
“Às 7 horas da manhã começa a latir p/ entrar. Late com autoridade, tem um latido muito forte: ‘Quero entrar!’ Faz isso todas as manhãs.”
"Levo ele p/ parque, corre que nem galgo, com muita energia!”
“A agitação diminuiu um pouco: está mais focado, mais adulto!”
“Está um pouco mais calmo p/ receber carinho.”
“Está um pouco mais calmo, uns 35%. A melhora foi mais significativa depois do adestramento. Estava sendo muito cansativo na rua, estava demais!”
“De não ter limites, melhorou um pouco, na média!”
“Acorda às 7 da manhã, fica ativo até às 9 horas, depois dorme! Noite é o auge da agitação, mas não tão intenso quanto era!”
“No auge da loucura, corre p/ lá e p/ cá com o Bom Bom (outro cão da casa).”
“Recebe carinho, gosta, mas não é por muito tempo, ‘Curte mas não curte!’. Já está em outras! Talvez a ver com atividade excessiva, não relaxa, não para!”

* Agressão Dirigida a Pessoas Familiares.

“Nunca é agressivo, a não ser que fique ‘enjoado’, aí se põe. Por exemplo, se implicam muito com ele!”
“Não machuca mais a minha filha com as mordidas.”

* Agressão Entre Cães Familiares.

“Nunca é agressivo, a não ser que fique ‘enjoado’, aí se põe. Por exemplo, se implicam muito com ele!”
“Tem grande tolerância, mas tem limite. Bom Bom é muito chato, implica com ele. O Snoopy ameaça, rosna, mas não morde.”
“Implica muito com os gatos, mas é brincadeira.”
“Os cães disputam muito entre si!”

* Agressão Entre Cães estranhos.

“Na rua, vendo outros cães, é tranquilo! Tem latido mais, mostrando dominância, principalmente quando o outro cão está preso, aí ele faz questão de avançar. Quando outro cão late, primeiro foge, depois encara! Isso ocorre, normalmente, em grupo, quando estão os 3 juntos, pela questão da dominância. Se está sozinho, é bem mais tranquilo!”

* Roubo de Objetos da Casa e Mastigação Destrutiva.

“Está um pouco melhor de subir e roubar as coisas de cima da mesa.”
“É muito ‘matreiro’! Sabe que está fazendo errado e faz escondido! Parece que mostra olhar de quem fez coisa errada!”
“Quando pego ele em flagrante, olha p/ mim como quem diz: ‘Me pegaram!’”
“Está sempre querendo arranjar ‘arte’ p/ fazer. Sempre pensando em fazer algum dano ou arte! Temos que estar sempre alertas com ele!”
“Parou de comer e roer mesas, cadeiras, etc. Melhorou da destrutividade! Agora quem faz é o Bom Bom!”
“Melhor é que parou de comer madeira. Melhorou questão de mastigar e estragar as coisas! Antes, furava e tirava o estofo da cama.”

* Coprofagia e Apetite Depravado.

“Não comeu mais o coco dos gatos!’
“Destrói sacos plásticos; colocou pelas fezes.”
“Esporadicamente, tem vômitos amarelados, por comer porcarias!”

* Desobediência.

“Tem sido adestrado por amigo da minha filha. Passou a ficar mais focado, mais comportado, senta, etc. Aprendeu muitas coisas! Era dispersivo demais!”
"É muito dispersivo e brincalhão!”
“Está obedecendo um pouco mais! À noite, na cama da minha filha, manda sair e obedece. Agora entende melhor os comandos!”
“Várias vezes tinha urinado na minha cama, mas não urinou mais!”

* Vocalização Excessiva.

“As 7 horas da manhã começa a latir p/ entrar. Late com autoridade, tem um latido muito forte: ‘Quero entrar!’ Faz isso todas as manhãs.”

* Outros.

“Faz xixi dentro de casa, sempre no jornal. Aprendeu a fazer xixi na rua, mas parece não ter força p/ levantar a pata!”
“Não come ração pura, é muito chato p/ comer... Faço caldinho, carne moída de segunda... Ele adora caldo, tenho que misturar p/ ele comer a ração.”
“Tem dias que passa o dia todo sem comer. Pode passar 2 dias assim!”
“Fico preocupada porque ele não come!”
“O olhar do Snoopy parece que ‘tá, mas não tá!’; já os outros cães, sinto o olhar.”
“É afetivo, mas não demonstra que nem os outros. Sei que ele gosta de mim, mas mão é ‘grudento’ que nem os outros. Tem uma maneira diferente de demonstrar o seu afeto!”
“Ponho a comida p/ ele, mas não vem logo, faz uma cena! É inteligente, usa até p/ manipular, p/ comer...”
“Recebe carinho, gosta, mas não é por muito tempo, ‘Curte mas não curte!’. Já está em outras!”
“Xixi é frequente, às vezes em grande quantidade, muitas vezes ao dia. Parece que urina por nervosismo!”
Mucosas Rosadas.

Conduta:

Optei por manter o medicamento "A", com atuação em um nível sistêmico, e o medicamento "D", um equalizador, baseado na compreensão da fisiopatologia do quadro cutâneo, efetuando adequações em termos de dinamização e frequência de administração dos respectivos medicamentos.


QUINTA AVALIAÇÃO: 26/06/2012 - 7 meses após, total de 1 ano e 2 meses de tratamento homeopático.

* Sintomas Cutâneos.

“A pele melhorou muito! Quase não tem tido mais crises de sarna demodécica.”
“Ainda está um pouco com o odor característico. Período que o cheiro estava forte e coçava muito, formando feridas.”
“Parei de dar os medicamentos homeopáticos há mais de 3 meses.”
“Está melhor da demodécica; melhor do cheiro, da vermelhidão. A coceira agora é de pulga, não é por causa da sarna demodécica.”
“Avalio que o Snoopy teve melhora de 100% nos sintomas de pele relacionados à sarna demodécica.”
“Além da Homeopatia, recebe também um medicamento convencional, p/ os momentos de crise, quando coçando muito!”
“Associo a melhora da demodiciose com o tratamento homeopático. Dividiria assim: 30% devido à medicação convencional, cura a crise; 70% em função da Homeopatia, que o mantém estável e melhora a imunidade.”
“Está com a sarna demodécica sem evoluir.”

* Hiperatividade.

“Era um ‘telescópio’, antes não focava. Na rua, olha p/ todos os lados!”
“Período em que esteve agitado e inquieto.”
“Está dormindo melhor; o sono melhorou bastante! Antes ficava muito agitado à noite, ficava andando; agora está descansando mais, é mais tranquilo!”
“Está mais atento, mas ainda mantém o comportamento um pouco agitado! Por outro lado, está dormindo melhor à noite!”

* Mastigação Destrutiva.

“É o que mais estraga as coisas. Ensinou para os outros como ser sem-vergonha! Adora pegar papel higiênico.”
“Destruíram todos os nossos chinelos.”

* Coprofagia e Apetite Depravado.

“Parou de comer cocô dos gatos.”
“Gosta muito de roer plástico! Outra vez, comeu absorvente e saiu pelas fezes, mas ficou preso, aí tive que puxar.”
“O grande problema é que come qualquer coisa!”
“As fezes estavam muito duras; agora está um pouco melhor!”
“Sempre foi de comer o que não deve!”

* Vômitos.

“Tem tido episódios de vômitos com bile (amarelado); ficou muito frequente há 1,5 mês. Na semana passada vomitou do nada!”
“O estado geral está bem. O que mais me preocupa é que tem apresentado vômito de bile. Alterna momentos que é mais frequente, com outros em que fica mais espaçado!”

* Desobediência.

“Digo não p/ o Snoopy e ele entende e não faz. Toma a decisão por ele!”

* Outros.

“Continua magro. Gosta muito de comida! Está comendo um pouco mais de ração; agora, ponho ricota! Está comendo bem, mas não engorda!”
“Ainda faz muita arte, mas está comendo melhor. Continua magro!”

Conduta:

Manutenção dos medicamentos e suas respectivas dinamizações, com ajuste da frequência de administração.


SEXTA AVALIAÇÃO: 25/09/2012 - 3 meses após, total de 1 ano e 5 meses de tratamento homeopático.

* Sintomas Cutâneos.

“Os sintomas da demodécica nunca mais voltaram!”
“Quando estava com demodécica, apresentava áreas avermelhadas: rosto, patas, em volta dos olhos e no queixo.”
“O odor fétido diminuiu bastante; melhorou 100%!”
“Também ganhou pelos, nas áreas que o pelo havia caído.”
“Melhorou o cheiro, cresceu o pelo, desapareceu o vermelho.”
“A melhora foi gradual!”
- Pergunta: Qual a sua avaliação do tratamento homeopático da demodiciose?
“O Snoopy melhorou 100% dos sintomas da sarna demodécica.”
"Além da Homeopatia, recebe um outro medicamento convencional para a sarna demodécica."
“A Homeopatia foi importante na questão do odor da pele, o temperamento melhorou, estabilizou, também melhorou a imunidade.”
“A partir de ter se tranquilizado, melhorou a demodiciose!”
“Há mais ou menos 1 ano, está estável!”
“Da pelagem, está bem melhor!”

* Hiperatividade.

“Ficou mais carinhoso! O normal dele era ser mais elétrico, hiperativo, andando de um lado p/ o outro. Depois do tratamento homeopático, ficou mais calmo, tranquilo, amenizou aquela agitação que ele tinha! Mas ainda tem essa característica de ser elétrico e agitado!”
“Antes, não dava nem p/ fazer carinho nele. Agora ele já para p/ receber carinho, conseguimos acariciá-lo!”
“Era muito nervoso, de não dormir, perambulava, não ficava quieto!”
“Agora está mais calmo e fica parado p/ receber carinho!”
“A Homeopatia foi importante na questão do odor da pele, o temperamento melhorou, estabilizou, também melhorou a imunidade.”
“A partir de ter se tranquilizado, melhorou a demodiciose!”
“Na rua tem menos foco, não presta atenção na gente!”
“Em casa, está mais tranquilo, dorme melhor.”
“Resiste muito bem a temperaturas... corre, não cansa nunca!”
“É o primeiro a saltar em nós, quando chegamos em casa, apesar do Bom Bom tentar se impor. Toca com as patinhas em nós, pedindo carinho!”

* Agressão Entre Cães Familiares.

“Tive que separar uma briga dele, com a ajuda de outra pessoa; foi na pracinha, com o Bom Bom. Antes, não brigava, anda muito bobalhão com outros cães.”
“O Bom Bom implica com ele o tempo inteiro.”

* Agressão Entre Cães Estranhos.

“É valente na rua, talvez por causa do Bom Bom.”
“Há 6 meses atrás, lá na pracinha, brigou com um Husky Siberiano. O Snoopy foi quem provocou a briga, ‘empurra e volta’! É como uma criança chata, insistente, até que o outro cachorro perdeu a paciência.”
“Atiça o Bom Bom contra outros cães; quer chegar perto de outros cães.”

* Roubo de Objetos da Casa e Mastigação Destrutiva.

“Ainda é implicante, p/ roubar coisas, com o Bom Bom e o Duque.”
“É mais sutil que o Bom Bom, até p/ roubar, não vemos quando ele rouba as coisas!”
“Desde a última avaliação, deu uma melhorada nas destruição das coisas.”

* Apetite Depravado.

“Sempre foi chato p/ comer, mas costuma comer coisas que não deve!”

* Vômitos.

“Houveram mudanças após a Homeopatia: desenvolveu gastrite, passou a vomitar muito; vômitos biliosos.”
“Vômitos melhoraram bastante! Está alimentando-se melhor!”
“Desde a última avaliação, começou a comer bem melhor.”

* Desobediência.

“Sabe os comandos, mas faz o que quer; é muito inteligente!”

* Outros.

“Fezes pequenas e rígidas, duras.”
“O apetite melhorou bastante desde a última avaliação.”
“Meio chato p/ comer, não come ração pura.”
“Ganhou peso, até rouba comida dos outros.”
“Quer estar sempre colado com a gente, em cima da gente!”
“Está defecando melhor.”
“As fezes são diferentes das do Bom Bom, são mais consistentes. Antes, eram duras, fazia força p/ sair. Não tem cheiro.”
“Faz muito xixi, toda hora.”
“No calor, não passa mal como o Bom Bom.”
“Não é de beber muita água.”

Conduta:

Manutenção dos medicamentos, suas respectivas dinamizações e frequência de administração.


SÉTIMA AVALIAÇÃO: 27/11/2012 - 2 meses após, total de 1 ano e 7 meses de tratamento homeopático.

“Teve algumas modificações; ficou esquisito! Dormiu embaixo da mesa da TV!”
“Como se tivesse mais ‘gurizão’, fazendo coisas meio loucas, está mais desobediente, parece que voltou à adolescência!”
“Está mais indisciplinado; na rua e dentro de casa!”
“Está mais brincalhão do que era!”
“Comendo melhor, mais disciplinado o apetite.”
“Já está comendo ração, que era chato p/ comer!”
“Sobe em cima da mesa!”
“Não tem limite, faz o que quer!”
“Muito matreiro. Rouba caixinha de absorvente, engole e sai nas fezes!”
“Não está mais roendo mesas e cadeiras. Pega pequenas coisas!”
“Duque (outro cão da casa) se intromete p/ terminar a bagunça, se a brincadeira passar dos limites!”
“De um mês e pouco atrás, começou a mudar o comportamento. Parece mais dissociado, antes estava mais focado!”
“Antigamente, era completamente ‘fora da casinha’, olhava p/ todos os lados. Depois ficou mais focado.”
“Um mês e pouco atrás, resgatei uma cadelinha.”
“Muito apegado à minha filha, que está sobrecarregada de trabalho.”
“Pede atenção, quer contato, carinho, mas logo já está ‘noutra’!”
“Não teve nenhum retrocesso em relação à sarna demodécica!”
“Está só recebendo Homeopatia.”
“Às vezes, esqueço de dar os medicamentos homeopáticos.”
“Mudou um pouco o comportamento, está mais ‘dissociado’!”
“Está assintomático por período bem significativo!”
“Não vomitou mais, melhorou bastante. Melhorou o apetite! Teve uma crise semelhante à do Bom Bom: como se não conseguissem respirar.”
“Faz xixi várias vezes, várias esguichadas no jornal, dentro de casa!”

Conduta:

Manutenção dos medicamentos, suas respectivas dinamizações e frequência de administração.


OITAVA AVALIAÇÃO: 24/09/2013 - 10 meses após, total de 2 anos e 5 meses de tratamento homeopático.

“Também provoca brigas com o Bom Bom.”
“Na rua, está puxando mais a corrente; antes era mais obediente!”
“Fezes, no geral, estão um pouco mais duras e secas.”
“Tem dias que não come, como se enjoado.”
“Bom Bom não deixa ele entrar no quarto, à noite!”
“Tem algumas manias, como dormir na mesinha da TV; não deita junto com os outros, dorme isolado! Tem temperamento diferente dos outros, é bem tranquilo p/ dormir.”
“Está com o cheiro mais forte, mas não é como antes!”
“Era chato p/ comer, às vezes, passava mal. Melhorou 90%! Come bem!”
“Dos sintomas da demodiciose, melhorou 100%.”
“Da hiperatividade, melhorou 70%.”
“De machucar nas brincadeiras, não aconteceu mais, melhorou 100%.”
“De destruir tudo o que conseguir pegar p/ mastigar, melhorou 90%.”
“De ser teimoso e sem limites, melhorou 90%, apesar de ser um pouco rebelde, vai no embalo da Lilica (outra cachorrinha da casa, adotada recentemente). O Bom Bom é mais focado, o Snoopy é disperso, parece ‘telescópio’. De ser disperso, chegou a melhorar 80%, depois baixou p/ 50-60%.”

Comparado com o período anterior ao tratamento homeopático:

* Melhorou qualidade de vida? “- Sim; 100%.”

* Ocorreram melhoras signifcativas? “- Sim; 100%.”

* Considera que as melhoras significativas que teve foram em função do tratamento homeopático? “- Sim.”

* O paciente utilizou alguma medicação convencional dirigida especificamente à sua queixa principal (Demodiciose)? “- Sim, nas crises! A manutenção foi com Homeopatia, a melhora foi gradativa, foi tendo menos crises, até não ter mais!”

* Satisfação da proprietária em relação ao nosso tratamento homeopático: Nota 10 (0 a 10).

Conduta:

Sem medicação.

Para continuar lendo este artigo, clique em:

CASO DE DEMODICIOSE EM CANINO TRATADO PELA HOMEOPATIA - PARTE II



Dr. Celso Affonso Machado Pedrini

Médico Veterinário

www.celsopedrini.com.br

CONTATO: celsopedrini@terra.com.br